Como Identificar o Estado de Conservação da Pintura da Moto

O visual de uma motocicleta está diretamente relacionado com a manutenção de sua pintura, e a conservação das partes que recebem algum tipo de verniz. A ação do tempo bem como a falta de manutenção correta pode ocasionar em danos permanentes na pintura, que somente serão corrigidos por meio de reparos em oficinas especializadas. Se a pintura está opaca, riscada, sem viço, ela deverá ser lavada com mais regularidade e de forma adequada para que haja uma tentativa de recuperação da pintura. Em casos mais extremos, é preciso fazer um polimento ou até mesmo uma repintura das partes que ficaram expostas e sofrem danos.

 

Conservar a pintura da moto é algo importante, mas fundamental é saber reconhecer ou identificar o estado de conservação da pintura da moto. Isto em particular no momento de compra e revenda do bem. Uma pintura muito deteriorada, vai ser reconhecida pela falta de brilho, mesmo em caso de pintura fosca. Haverá muitos riscos nas partes pintadas, e um elevado acúmulo de sedimentos. Quem possui uma moto nesse estado, precisa, primeiramente, lavar a moto com o auxílio da máquina de alta pressão, para a retirada de qualquer resíduo – evite esfregar panos ou buchas – para não danificar ainda mais a pintura. A secagem também deverá ser feita com cuidado.

 

Para a recuperação do brilho, uma cera com a maior quantidade possível de produto abrasivo é a que deverá ser utilizada para o polimento. Como ela tende a retirar o verniz, algumas pessoas evitam usar ceras com este tipo de componente, e recomendam ainda que não se deve lavar nem encerar com frequência motos que tenham pintura metálica. Mas é importante que fique claro: o procedimento somente deverá ser adotado em casos de motos com pinturas muito deterioradas.

 

Pinturas que apresentem um leve estrago – apresentam brilho, mas há partes que já estão opacas, ou podem ser visualizados alguns riscos, o ideal é que a cerca para polimento seja com abrasividade média. Neste caso, a função da cera é retirar apenas alguns sedimentos presentes na pintura, ou minimizar alguns riscos mais superficiais. Cerca de 60% das motocicletas hoje estão nessa situação, muitas delas por conta da própria ação do tempo.

 

Já as motos que apresentam pinturas novas – modelos zero quilômetros ou repintadas – que não apresentam acúmulo de sedimentos nem riscos, não demandam a necessidade de cuidados mais específicos, senão as lavagens semanais com a aplicação de produtos para a manutenção do brilho e conservação de verniz.