Cuidados Com a Correia Dentada

Infelizmente, não é mito. Algumas pessoas ainda não sabem ou conhecem um pouco sore mecânica e, por vezes, quando ouvem certos nomes que são referidos em uma oficina mecânica, podem até mesmo se assaltar. Outras, por vezes, podem ainda ser passadas para trás. O fato é que é de supra importância conhecer sobre mecânica e ações preventivas que devem ser realizadas nos automóveis. Eles são maquinas e mecanismos de transporte, acima de tudo. Por mais amor que se tenha pelo carro, é fundamental conhecer as suas partes, para saber quando e como fazer a manutenção correta. Para não ficar na mão, no mínimo.

 

Um dos componentes do motor que precisa receber uma atenção especial é a correia dentada. Ela é quem faz a sincronia entre o virabrequim que transfere a força do motor às rodas e aos comandos de válvulas, além de ser responsável pela entrada e saída dos gases dos cilindros. Acontece que muitos se esquecem de fazer a manutenção preventiva desta peça nos automóveis, ou seja, a Correia Dentada deve ser trocada a cada 40.000 ou 60.000 km, dependendo das especificações técnicas de cada montadora.

 

Não se trata de uma peça que possa ser deixada para ser trocada depois do prazo, ao contrário. Ela deve ser trocada dentro do prazo, porque há o risco de que ela estoure. Ao se partir, a sincronia entre o virabrequim é quebrada e o pistão comandado pelo virabrequim atinge a válvula, a qual geralmente está aberta e com sua cabeça dentro do cilindro. Neste caso, as avarias podem se estender até mesmo ao próprio comando das válvulas e aos tuchos, os quais comandam a abertura das válvulas. Os danos podem se estender também até mesmo às bielas do motor.

 

Caso ela se parta e o carro esteja em baixa rotação, os prejuízos podem ser até pequenos. Mas se o carro estiver em alta rotação, o que geralmente ocorre, com o travamento das válvulas e os choques com os pistões, o cabeçote do motor do carro poderá ficar totalmente danificado. Em casos menos graves, o motor pode ser enviado a uma retífica e sofrer reparo.

 

Modelos de automóveis multiválvulas – 16V, 10V ou 24V -, demandam mais cuidado ainda, uma vez que são mais pesados e exigem da correia dentada. Revisões e manutenções preventivas devem sempre ser feitas e, às vezes não somente a correia precisa ser trocada, como também o esticador, composto por um rolamento, o qual pode apresentar folgas e, em caso de travamentos, danifica a correia além de diminuir sua vida útil.