Cuidados Com a Junta da Homocinética

Por mais que a tecnologia esteja presente nos carros, há alguns cuidados que o motorista nunca escapa. Um deles é com a junta da homocinética. Mas, sabe o que é e como funciona? Trata-se de um sistema de é um sistema de peças presentes no carro, cuja função é transmissão de força que vai dos eixos das rodas ao volante, e vice-versa, para fazer com que o veículo se movimente.

 

De forma técnica, é constituída de um veio transmissor, esferas de aço, rolamentos, cúpula e veio transmissor como parte do cubo da roda. Ou seja, um par de dobradiças arredondadas as quais giram em posições contrárias. Possui também uma parte interna e externa, separadas por uma esfera, junto da parte externa do semi-eixo, as quais deslizam permitindo os movimentos em vários ângulos, todos distintos.

 

Não se pode fazer alguns procedimentos com o veículo, que podem acarretar danos nas juntas. Torque demasiado, trancos no carro, e arrancadas constantes podem danificar o conjunto, que função fundamental é a transmissão de força. Caso os cuidados não sejam feitos como visitas constantes a um mecânico e uma direção preventiva, econômica e correta, o desgaste da peça ocorre muito mais rápido e os prejuízos podem ser bem grandes, pois elas podem quebrar e deixar o condutor na mão, sem contar que os prejuízos são relativamente grandes. Normalmente as juntas têm durabilidade de 40 a 50 mil quilômetros.

 

É relativamente fácil identificar quando há problemas na junta da homocinética, pois ao acelerar o carro ele já dá a sensação de “estar fraco”. Em movimento ou em manobras, o primeiro sintoma de problemas com a junta da homocinética são os barulhos de atrito metálico seguidos de estalos, os quais são bem característicos do desgaste da peça. Isto significa dizer que a junta apresenta folga e precisa ser trocada.

 

O melhor a ser feito quando o barulho persiste é ir a um mecânico de confiança e especializado, para que ele dê o diagnóstico preciso do problema. É possível apenas desmontar as juntas, retirar as coifas (rebolos), limpá-las, e renovar a graxa, o que, aliás, deve ser feito com certa frequência. Contudo, o mais recomendável é trocar o jogo de peças da homocinética. O custo das peças não costuma ser alto, mas precisa ser feito por especialistas que tenham as ferramentas adequadas para que o serviço fique bom e ser carro tenha mais 40 ou 50 mil quilômetros de boa direção.