Hidrogênio, o Combustível do Futuro

O presidente da Anfavea, Luiz Moan acredita que o futuro dos combustíveis para os automotivos de forma geral está não nos híbridos, mas sim no uso do hidrogênio, gás em abundância que pode substituir de forma correspondente ao uso dos combustíveis hoje largamente utilizados. Recentemente, ele fez questão de afirmar que “todo o resto será meramente temporário”.

 

A busca por combustíveis alternativos para uso automotivo não se faz de hoje. É preocupação já de longa data e, as soluções parecem estar no caminho certo. Como todos os meios fósseis um dia vão se esgotar e, a criação de biodiesel ainda não atende à toda a demanda, Moan vê tudo com olhares de que vivemos um momento de transição iminente e que a demanda também deve atender às necessidades de uso de meios menos poluentes.

 

O governo não deu lá muita atenção ao que Luiz Moan apontou. O próprio acentua que não é interessante para algumas partes, mas que é necessário pensar, criar, desenvolver e por para funcionar outros meios que sejam mais rápidos de serem obtidos e tão eficientes quanto. O presidente da Anfavea também afirmou que o governo não dá lá a relevância necessária para os carros híbridos, uma vez que não há grandes incentivos em seus desenvolvimentos. Na Europa, alguns modelos de híbridos já se fazem como realidade nas ruas. Como resultado de suas afirmações, o governo baixou uma portaria, na tentativa de minimizar problemas futuros, reduzindo as taxas a 0% para que sejam desenvolvidos pelas empresas e montadoras, aqui no Brasil, os híbridos. O que não aliviou a acidez de Luiz em seus pareceres.

 

Até porque Toyota e a Honda investem no híbrido e outras, como Nissan e Renault no elétrico, há quem esteja satisfeito com o uso do álcool, combustível muito elogiado em vários países e tido como a grande alternativa real de redução de emissões pelos veículos automotores; ou ainda o biodiesel, outro combustível renovável.

 

Mas para Luiz, tudo isto é algo temporário, ele acredita que não há tempo nem muito espaço para o desenvolvimento e uso do que já está no mercado. Ele acredita piamente que o uso de gás hidrogênio seria a melhor alternativa, mais barata e menos poluente. Já existem os carros a gás natural, desenvolver novas tecnologias em cima de algo que não será usado pela grande população e que não terá grandes incentivos fiscais, é puro desperdício de tempo, na visão do presidente.