Novas Tecnologias Não São Tão Seguras Quanto Se Pensava

Repletos de aplicativos, sendo que alguns nem serão totalmente usados por alguns motoristas, os carros já falam e avisam determinadas informações, basta que o GPS fique ligado enquanto o carro está sendo guiado por destinos imensuráveis.  São tantos aplicativos, que mais se parece estar em um carro de um antigo desenho animado, do que de fato, em um meio de transporte. De pontos de acesso a internet a encostos de cabeça para TVs de última geração, cada vez mais carros vêm carregados de alta tecnologia e acessórios.

 

Projetados para auxiliar a vida humana, alguns especialistas afirmam que toda essa tecnologia presente os carros, pode não ser tão segura quanto parece. Uma das montadoras que está na berlinda é a Ford, a grande pioneira em tudo. Uma interface chamada “MyFord Touch”, totalmente controlada por voz, incluindo entretenimentos como AM / FM, rádio por satélite, HD, CD, MP3, e controle de clima, telefone e navegação, pode também ser usada para outros tipos de aplicações e que vão além de ouvir música a partir de serviços online, ficar em contato com as últimas notícias e checar suas últimas mensagens no Twitter – tudo sem tirar as mãos do volante.

 

Segundo alguns estudos que têm sido realizados, apontam que os acidentes podem triplicar por conta de todos estes aplicativos que estão vindo nos carros. TVs e DVDs, inclusive, são apontados como grandes vilões – pois distraem as crianças e quem também está ao volante guiando os carros.

 

Alguns pesquisadores estão lutando para desativar o uso de certas tecnologias nos automóveis. Uma campanha mostra pessoas nos EUA que foram feridas ou perderam entes queridos em acidentes de direção distraída. Em 2009, cerca de 5.500 pessoas morreram e meio milhão de pessoas ficaram em acidentes envolvendo um motorista distraído.

 

Os especialistas em segurança tecnológica e de transporte ainda apontaram que a briga agora é diretamente com as montadoras que se recusam a reduzir os investimentos em busca de novos aplicativos e instalações de tecnologia, pois afirmam que os clientes não vão querer retroceder. Há dezenas de bilhões de dólares em questão. E todo um conglomerado tem a perder, caso fique comprovado que o uso de novas tecnologias somente tendem a aumentar os riscos de morte em vias públicas.

 

A tarefa agora é continuar investindo em campanhas para que as pessoas se conscientizem de que devem dirigir com cautela e atenção ao volante. Somente.