Por Que Fazer um Seguro Automotivo?

Mesmo com tantas informações na mídia, ainda há pessoas que, ou apresentam muitas dúvidas na hora de fazer um seguro de seu automóvel, ou ainda insistem em não fazê-lo, por acreditarem ser altamente dispendioso. A questão é bem mais simples do que possa parecer. Os dados da Associação de Seguradoras e Corretoras, afirmam que somente no primeiro trimestre do ano de 2014, houve um aumento de mais de 54% nos furtos e roubos de veículos, apenas na capital de São Paulo. Isto já alertaria qualquer indivíduo que possua um carro a realizar um seguro.

E não é apenas isto. Quem possui um veículo e dirige todos os dias, está sujeito a sofrer colisões, sejam elas as mais leves ou – infelizmente – as mais graves. O carro que estiver segurado por uma corretora, bem como o condutor  seguirão sem grandes problemas para resolver possíveis avarias, tanto em seu próprio veículo quanto no de terceiro (ou terceiros). Sem contar que os corretores das seguradoras estão sempre aptos a solucionar as pendências para os seus clientes, deixando-os mais tranquilos, quanto às possíveis reparações. Caso haja um acidente mais grave, ou ainda uma perda total do veículo, o condutor não saíra no prejuízo: as seguradoras, conforme contratos elaborados, pagam pelas perdas.

Ainda há uma outra vantagem: se o carro for roubado, e por ventura não seja encontrado pelas autoridades – como mostram as estatísticas – o valor do veículo no momento do furto é devolvido para que o segurado adquira um outro, ao mesmo parecido.

Realmente, seguros de automóveis não são os produtos mais em conta que estão disponíveis no mercado de automóveis. Mas são necessários. Acidentes, furtos, roubos são corriqueiros, mesmo se todos os cuidados forem tomados.

Então, o primeiro passo é buscar vários orçamentos, os quais serão feitos por intermédio ou de um corretor de seguros ou pode ser feito pelo próprio segurado, desde que ele procure uma seguradora idônea. Depois de coletar os dados do veículo, o corretor fará um questionário conhecido como “bom risco”, para saber o perfil do condutor e, por fim dar início ao orçamento. Saber se não há nenhum tipo de restrição ou rejeição no perfil e no veículo. Fazer alguns orçamentos também é imprescindível, já que há diferença entre valores e seguradoras. Também não se deve esquecer de que os documentos do carro, seja ele novo ou usado deverão estar em ordem, caso contrário, poderá não ser possível fazer o seguro.